“Dentro dos meus olhos” – poema de Adão Cruz

A Viagem dos Argonautas

Imagem1

Dentro dos meus olhos uma tela azul enorme grande como a luz dos teus olhos onde meti todo o céu que pude

Um mar imenso de mil cores mil jardins de flores à minha escolha ao critério dos meus dedos ao sabor dos meus segredos e dos medos de não ser capaz

Azul e mais azul de amarelo fustigado um rasgo genial de vermelho um reflexo de sol e de céu

Mas tu não gostas de poetas mortos nada te dizem as cores da minha mão se tento escrever-te numa tela ou pintar teu rosto na letra de um verso

Não gostas de poemas nem queres puxar os cordéis das minhas pernas em sentido de fuga

Não deixas abrir as janelas do vagaroso comboio carregando ruas estreitas e novas lojas de palavras velhas

Nas estreitas ruas das minhas mãos há longuíssimas raízes que te prendem a um labirinto de espelhos

View original post 33 more words

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: